Legalismo: um atalho para a Santificação?

De início, duas verdades: Deus deseja que seu povo seja santificado e o Responsável pela obra da santificação é o próprio Espírito Santo (1 Pedro 1.2). Porém, como todos os cristãos percebem, o processo da santificação é longa e muitas vezes doloroso. Existiria algum atalho para a santificação? Algum ‘acelerador espiritual’? O legalismo responderia que sim.

“Hey cristão,” diz o legalismo, “tu queres ser santo? Siga esta série de exigências:”

  • Pare de assistir novelas
  • Se for mulher, pare de usar calças
  • Se for homem, pare de usar bermudas
  • Se for jovem, pare de jogar videogames
  • Leia 1 capítulo por dia
  • Dê mais oferta
  • Nunca falte um culto, etc…

“Siga a risca e ganhará a aprovação de Deus, alegrará o Espírito Santo, e será um modelo para os demais irmãos,” conclui o legalismo.

O que não percebe, porém, é que Deus é glorificado tanto pela santidade como também pelo processo da santidade. O autor de Hebreus, após exaltar a Cristo como sumo Sacerdote e perfeito Mediador, afirma: “Portanto, aproximemo-nos com confiança do trono da graça, para que recebamos misericórdia e encontremos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno” (Heb 4.16). É este o processo da santificação que glorifique a Deus: homens e mulheres buscando a misericórdia e graça perante o Trono através de Jesus Cristo. Aquele que tente burlar a santificação, menospreza o Trono da graça, o Mediador, e sua graça e misericórdia.

O fruto deste processo de santificação é o mesmo fruto do Espírito: “amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, amabilidade e domínio próprio” (Gl 5.22,23), obras quais nunca são incluídas na lista legalista.