Pregação: uma obra exclusiva dos batistas landmarkistas?

Landmarkismo, em última analise, entende que a pregação deve ser obra exclusiva dos batistas landmarkistas. Ou seja: as pregações feitas por homens de outras denominações são feitas de forma ilegal, sem a autorização divina. Visto dessa forma, melhor séria que Jonathan Edwards, John Wesley, J.C. Ryle, etc. tivessem se calado ao invés de pregar a palavra sem a ordenação batista landmarkista.

“Ao tratar os ministros de outras denominações como ministros autênticos do evangelho, e receber qualquer uma das suas obras oficiais — seja pregação or imersão — como bíblicos, nós proclamamos, mais alto do que é possível com palavras, que suas congregações são igrejas evangélicas, e seus ensinos e praticas tão ortodoxas quanto as nossas; e assim encorajamos nossas famílias e o mundo a preferir se ajuntar as suas congregações ao invés das igrejas batistas, pois, quanto a eles, o escândalo ‘da cruz estaria aniquilado’.” – J. R. Graves, “Antiga Landmarkismo: o que é?” (1880), fundador do movimento landmarkista