‘Nenhum credo, só a Bíblia!’

1. Afirmar “Nenhum credo, só a Bíblia!” é defender uma crença, e logo, defender um “credo” (palavra em latim que significa ‘creio’).

2. Afirmar “Nenhum credo, só a Bíblia” é ignorar que o próprio texto bíblico contém credos, ou confissões de fé. (Exemplos: 1Cor 15.3-5, 1Cor 8.6, 1Tm 2.5-7)

3. Afirmar “Nenhum credo, só a Bíblia!” é sugerir que todos interpretam o texto bíblico da mesma forma que você o interpreta. De fato, se todos compartilharem da mesma interpretação, não é necessário listar, de forma sucinta e clara, quais são os fundamentos da fé cristã.

4. Afirmar “Nenhum credo, só a Bíblia!” é sugerir que futuras gerações não serão beneficiados com os esforços da atual geração em deixar seus estudos e definições por escrito.

5. Afirmar “Nenhum credo, só a Bíblia!” é sugerir que o único papel do credo é tomar o lugar das Escrituras. Mas, seguindo esse raciocínio, a própria afirmação “Nenhum credo, só a Bíblia” seria uma tentativa de subverter a autoridade das Escrituras.