Comunidade para quê?

Pense em uma família cristã que vive isolada, no meio de uma floresta distante, sem qualquer contato com outras pessoas. Se ela tiver a Bíblia, ela tem tudo o que precisa para compreender o papel do marido cristão / esposa cristã e a criação de filhos para a glória de Deus?

Sim. Nas Sagradas Escrituras, toda a instrução divina está a sua disposição independente se estão no meio da selva ou no meio de uma comunidade cristã.

MAS. Mas!

Isso não quer dizer — necessariamente — que sua interpretação do texto bíblico será sempre correta. Afinal, essa família hipotética é tão falha quanta qualquer outra familia da nossa planeta. Eventualmente, ela vai errar na leitura ou na aplicação.

Haverá nuanças, aplicações praticas, implicações e desafios que esta família só experimentará quando tiver contato com outras pessoas. O provérbio bíblico está corretíssimo: “Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro“.

Por isso, a importância de comunidade. Não fomos criados para nos isolar com nossas próprias ideias. Temos que compartilhar, ouvir, considerar, refletir, rever.

TÁ, MAS E DAÍ?

O ponto é triplico:

1. Se você não faz parte de uma igreja saudável, você está prejudicando sua vida espiritual. A ovelha precisa do rebanho.

2. Se você não conhece a história do Cristianismo, você está prejudicando sua defesa da fé. É fácil afirmar “Minhas crenças são bíblicas! O que eu creio tá na Bíblia sim!” Toda religião vai afirmar algo do tipo. O desafio é comprovar que sua fé é histórica, ortodoxa e equilibrada. Se você ainda não procurou saber como as nuanças da sua denominação evoluíram nos últimos 2mil anos, sugiro que faça esse estudo.

3. Sola Escritura sim, mas não Nuda Escritura. A Palavra de Deus é a única fonte infalível. Ela somente é inspirada. Ela somente é a voz de Deus. Mas isso não quer dizer que Deus não use de outros meios para “afiar” nosso entendimento e fé. Podemos aprender com os homens e mulheres que vieram antes de nós e deixaram suas reflexões por escrita.